sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Um pouco de ti….



Um velho sábio narrava sobre uma história antiga, daquelas que nem sempre têm um final feliz e sentada diante do mar, escutavas cada palavra que se libertava da sua voz, enquanto que, por determinados períodos, adormecias os teus pensamentos em viagens longínquas e imaginárias.
O velho sábio sabia, por conhecimento e por experiência, que em certos momentos, os teus olhos apenas se limitavam a seguir naturalmente cada movimento dos seus lábios e que tu, nesses instantes, não escutavas nem entendias todas as suas palavras.
Ao longe, distante de todos os teus pensamentos, e da tua história,  observava a tua forma as tuas feições os teus gestos, apaixonado por todos aqueles instantes, gravando na minha alma todos esses momentos ao mesmo tempo que sofrendo em silêncio, me libertava daquele lugar.
Era uma sensação maravilhosa aquela. Poder observar-te e  procurar contemplar os teus olhos, conseguir descobrir por onde andavam os teus pensamentos…sempre tão imensos e distantes… e no fundo tão iguais aos meus….
O velho sábio nunca interrompia. Nem a narrativa da sua história nem os teus pensamentos que ele sabia navegavam distantes sobre o horizonte, onde céu e mar se tocam.
O tempo não tolera pausas e cada momento que não vives é uma parte de ti que morre precocemente sem viver.
Essa história antiga e sábia, falava de encontros e desencontros, de conquistas e de perdas… Tudo na nossa existência se resume a estas duas condições. O importante é que exista nas perdas sempre lugar para um encontro e nas conquistas estejamos sempre propícios para sustentar uma perda.
Esse velho sábio já não existe, assim como as historias sempre com final feliz, mas acredita que gravado no teu inconsciente a mensagem permanecerá para sempre cinzelada no teu coração.
O velho sábio observa-te agora. Escondeu-se num (en)canto das estrelas e sussurra-te ao ouvido as suas histórias com ténues sopros de vento.
Mas não chores. Afaga o teu pranto no tempo perdido, para que entendas o valor que custa um sorriso. Podes sempre libertar as tuas tristezas pelas tuas lágrimas, mas os teus momentos mais felizes ficarão para sempre no brilho dos teus olhos e no encanto da forma como sorris.
Nem todas as historias tem um final feliz, pois não?
Mas nem todas elas poderão estar condenadas à infelicidade!

Escrito por Henrique Rocha Almeida

Sem comentários:

Caminho

Tu que procuras um caminho e vives numa constante encruzilhada, que te julgas neste mundo, sozinho, à procura de tudo e de nada. Tu, ...