sexta-feira, 11 de março de 2016

O amor não se conquista.



Não deixes de me abraçar!
Os teus abraços encerram uma vontade plena de querer ter-te sempre colado a mim como se o teu corpo fosse a minha própria pele.
O  teu abraço é de tal forma poderoso, único e misterioso ao ponto de me fazer sentir constantemente perdido. 
São essas amarras soltas, que procuro como um ponto de equilíbrio e confiança.
Junto aos teus abraços, peço-te que não deixes de me abraçar!
Os teus abraços são bocados de paz que me percorrem o espírito e me fazem crer numa imensa sensação de te poder perder a qualquer momento
O poder dos teus beijos são de tal forma poderosos e únicos, que são eles que me balançam entre a realidade e a fantasia, entre o divino e o profano, entre o sonho e a realidade.
A felicidade existe sim,  na ponta dos teus lábios.
Sem eles sinto-me tão incompletamente feliz.
Nunca deixes de me sonhar!
Os teus sonhos são janelas curiosas e indiscretas, que me  acalmam o espírito, e  conquistam em cada vôo meu, a melhor parte dos teus pensamentos.
Fazes-me acreditar que tudo é possível, que a realidade em vivemos e acreditamos só existe porque somos o que sonhamos.
O amor não se conquista. Vive-se!
O amor não se perde nem ganha. Não arma de guerra nem de paz.
Traduz-se simplesmente num sentimento de pura nostalgia
que se adquire e acumula ao longo do tempo.
O sentimento de amar é igual ao sentir do sentimento de saudade.
Não se sente no momento, 
não se entende nem percebe,
apenas se sofre, com a sua ausência e
muito....muito tempo depois.

E por isto 
e muito mais, 
e tudo o resto,
quero poder abraçar-te... 
fazer de ti a minha canôa....
que me ajuda a navegar entre os teus sonhos e os meus,
para que possamos construir juntos
uma das mais belas histórias de amor.

Sabes, tenho para mim este pensamento.....
Existe lá saudade mais bonita de te querer dizer : - Amo-te !
Mas tenho medo de o tempo já não mo permitir…



Escrito por Henrique Rocha Almeida
11 Março 2016

Sem comentários:

Caminho

Tu que procuras um caminho e vives numa constante encruzilhada, que te julgas neste mundo, sozinho, à procura de tudo e de nada. Tu, ...